11/25/2013

O submundo dos “Coments” em forma de quadrinhos

 
 
O submundo dos rodapés de notícias e dos comentários nas redes sociais é muito mais sujo e mais insensato do que se imagina. Gente sem rosto, endereço, telefone e pessoas escondidas sob pseudônimos que destila homofobia, racismo, machismo e tudo quanto é tipo de preconceito. Não há pesquisa, mas uma boa porcentagem dos comentários na Web é agressiva. Seus autores parecem cães raivosos a babar na frente do computador. Xingamentos e erros de português também são comuns. Quando a notícia é sobre política, a baixaria corre solta e já está provado que grupos são pagos pelos partidos para atacar adversários. Assim surgiram os Coments, que em geral, são pessoas que têm um parafuso a menos. Desde o final dos anos 80 há autores impressionados com o nível das discussões na internet. Notou-se que elas eram mais agressivas e mais selvagens que as discussões face a face. Razão disso: o anonimato da rede. Parece que as pessoas se controlam mais quando há um custo para a sua imagem e reputação. Entre fóruns, chats, comentários de blogs, sites de redes sociais e comentários nos jornais on-line, um fenômeno parece consistente: quanto mais anonimato, mais há a tentação da agressividade. Só que conteúdos digitais circulam para além das redes de cada um. Mas isso acontece apenas com a opinião preconceituosa e em situações onde não há anonimato. Os Coments continuam em alta e atacando cada vez mais. Foi assim que os quadrinhos surgiram para ilustrar essas rebeldes situações.

11/19/2013

Revistinha em quadrinhos na China detona os imigrantes

 
 
 
 
 
Atualmente a China é um dos países que mais cresce no mundo, no contexto econômico, industrial e financeiro. O ensino atual na China é obrigatório e gratuito, onde o governo introduziu a educação para todos os cidadãos. Interessante é que onde mais existe educação de nível e qualidade, parece que a população é insensível a determinadas situações. Uma ‘grafic novel’ chamada ‘Maus’ conquistou o importante prêmio Pulitzer. A explicação para tanto sucesso foi dada pelo editor Luiz Schwarcz, é que a revista foi feita para um público jovem, mas, nela toca, entre outros assuntos, a questão da exclusão do imigrante, que acabou tendo um apelo maior para leitores adultos. E os imigrantes são tratados de maneira bem convincentes. Confiram as imagens das capas acima:
 
 
 
 
 

11/14/2013

Cartunista Laerte tira a roupa em revista

 

O cartunista Laerte continua mais polêmico do que nunca. Agora ele resolveu tirar a roupa para a revista Rolling Stone Brasil. Em entrevista para a edição de aniversário da revista, o cartunista falou sobre toda a transformação de vida porque passou desde que colocou as primeiras peças de roupas femininas. Na publicação, ele conta porque decidiu se casar com uma mulher, ainda que sua primeira relação sexual, aos 17 anos, tenha sido com um homem. Afirmou que casou por pânico. Mas disse que tem prazer e desejo por mulheres. Segundo ele, o fato é que estava vivendo um estado de negação permanente. Laerte conta também como foi que começou a se vestir com roupas femininas, sobre a renovação em suas tirinhas, sobre como a morte de seu filho, aos 22 anos, quase o fez parar a transformação. Enfim, Laerte abriu seu coração!


11/09/2013

Paulista possui a maior coleção de Tex do Brasil

 
O paulista Adriano Rainho entrou para o RankBrasil em 2013 com a Maior coleção de Tex Willer do Brasil. Ao todo, são 3.039 artigos relacionados ao personagem dos quadrinhos, entre pôsteres, gibis, revistas, livros, estatuas, álbum de figurinhas, entre outros. Tex Willer foi criado em 1948 e publicado originalmente na Itália. É um dos personagens de velho oeste mais antigos do mundo. O interesse do colecionador pelas histórias surgiu quando tinha 10 anos, sendo apresentado ao universo do Tex por um amigo de infância. Das mais de três mil peças que possui, aquelas que mais deram charme a coleção foram as 40 estatuetas dos personagens da história em quadrinhos. A coleção começou em 1976, parando em 1982 quando o recordista começou a faculdade. Os gibis ficaram guardados até 2003 quando ele resolveu reviver as aventuras do Ranger e juntar essa coleção que tem hoje. Natural de Santo André, no grande ABC paulista, Rainho sempre compra todas as edições novas que saem na banca. Segundo o recordista, Tex é um exemplo a ser seguido. Seu primeiro item adquirido foi o nº 2 da segunda edição publicada no Brasil, com o título de ‘Vingança de índia’. O recordista informa que o Brasil é o segundo maior polo de Tex no mundo, só atrás da Itália onde ele é considerado um mito e um orgulho, como a Ferrari e a pizza. Para o colecionador, os quadrinhos o mantém com espírito jovem e entrar para o livro dos recordes foi uma oportunidade de divulgar e manter viva as histórias de Tex Willer. O bom de estar no RankBrasil é manter viva essa paixão que se chama histórias em quadrinhos”, afirmou o colecionador.

11/06/2013

007 arrecada mais de U$ 1 bilhão de bilheteria

 

Com arrecadação de mais de U$ 1 bilhão em todo o mundo, o filme 007 – Operação Skyfall, o novo episódio da franquia sobre o agente James Bond, se tornou um dos 14 longa-metragens a aingir essa marca em toda história do cinema. O filme estrelado por Daniel Craig e Javier Bardem entra para a lista que inclui Avatar, Titanic, Os Vingadores, Harry Potter e as Relíquias da Morte, O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei e Batman O Cavaleiro das Trevas Ressurge. Operação Skyfall tem como diretor, Sam Mendes.

 


11/01/2013

Prova em escola usa tira da Mônica com palavrão

 
Uma tirinha da Turma da Mônica com um palavrão usada em uma questão de prova do 4º ano do Ensino Fundamental da Escola Luiza Batista de Souza, em Rio Branco, gerou protestos dos pais de alunos. A tira mostra uma conversa entre Cebolinha, Magali e um pipoqueiro:
- Eu quelo um saco de pipoca - diz Cebolinha.
- E a garotinha? - pergunta o pipoqueiro.
-
Uma pica! - foi a resposta de Magali.
A escola alega que o erro ocorreu na hora da digitalização da atividade, porém, nega que a expressão tenha sido usada de forma maldosa pela professora. A economista Efigênia Ferreira,  questionou o uso da palavra no exame e postou imagem da prova em rede social. A professora Francisca Ermelinda, com 26 como docente, diz que houve um erro na hora de digitalizar a prova. Na tirinha original Magali responde 'O que sobrar'. Segundo ela, a pessoa que elabora a prova puxou a tirinha da internet e não percebeu que ela estava com a expressão errada. De qualquer forma, trata-se de um erro gravíssimo, já que a prova se destinou a alunos do ensino primário, com alunos entre 8 e 9 anos. Outro detalhe que passou despercebido por muitos que leram a prova, é que  a palavra "abaixo" está incorretamente colocado na questão. Gente, tira as crianças dessa escola já! Imperdoável!